Travelettes: as mulheres que viajam sozinhas juntas

Ao longo dos últimos anos ficou claro que está rolando um empoderamento feminino, ele parte das próprias mulheres e se prolonga para todos os setores da vida contemporânea; família, trabalho, sexo, saúde. Para conquistar a igualdade várias iniciativas vem surgindo, como a da Meryl Streep de incentivar mulheres na indústria do cinema ou o recente discurso do Mark Zuckenberg falando para as mulheres não namorarem os nerds, e sim para que elas sejam nerds.

Uma iniciativa que me chamou muito a atenção é a das travelettes. Toda mulher que viaja sozinha sabe a surpresa e preocupação que as pessoas tem ao saber que você vai estar em outro país, que você não conhece sem a companhia de um homem, ou as vezes, sem companhia nenhuma. As travelettes são um grupo dessas mulheres que viajam solo, se entendem e se ajudam.

Elas começaram como um blog de viagens feito por várias mulheres que viajam frequentemente, escritoras e fotógrafas, com a intenção de inspirar outras mulheres a viajarem mais. Depois que viram que várias outras mulheres queriam não apenas serem inspiradas, mas também inspirar, criaram uma grupo no facebook, onde qualquer mulher pode entrar, postar suas dúvidas e ser inundada de ótimos conselhos e as vezes, até arranjar uma amiga para a viagem.

Eu participo do grupo desde julho do ano passado, e desde então o grupo já foi de 10 mil participantes para 15 mil. Já dei conselhos sobre o Brasil, e recebi ótimos conselhos sobre a California e Europa tanto de locais como de mulheres que já passaram por esses lugares. Fiz amizade com uma croata que vai visitar o Brasil em março e ela já me ofereceu a casa dela na Croácia para quando eu estiver por perto.

Muito além dos conselhos e amizades que o grupo gera há outro lado que presenciei muito forte, o de se proteger, de realmente ser uma presença, mesmo que longe. Muitas mulheres ainda procuram saber onde é seguro ir sozinha, com que roupa elas podem sair, como se portar em diferentes culturas e diferentes lugares.

Um caso que me impressionou foi uma mulher de 19 anos que pela primeira vez saiu do país de origem dela e foi para Bali, para um trabalho voluntário. Durante a noite ela estava na rua e foi atacada por um homem. Ela não deu detalhes do ataque, porém falou como ela ficou assustada e perguntou para as outras viajantes do grupo o que fazer, se ela deveria voltar, se ela deveria tentar superar aquilo e continuar a viagem. Vi muitos comentários dando apoio, suportando qualquer escolha que ela fizesse e dividindo suas próprias histórias parecidas. No final ela respondeu falando que iria voltar para a casa, mas agradeceu a ajuda. Ela já está viajando de novo, com a ajuda das nossas companheiras travelettes.

Á mulherada que quer viajar sozinha mas precisa de um empurrãozinho, ou mesmo ás viajantes solo já experientes vale a pena conhecer tanto o site quanto o grupo. As travelettes te saudam.

COMPARTILHAR
Morando em Amsterdam e sonhando com a vida de nômade digital. Amo filmes, séries, livros, contos em volta de fogueira, letras de música. Resumindo, toda boa história. Tudo que é novo me da energia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Escreva seu comentário
Seu nome aqui