Kendrick Lamar lança album surpresa e continua fazendo história no rap

Kendrick Lamar é um rapper distinto no mercado. Seu estilo é bem característico e, com certeza, muito mais político que a grande maioria dos que estão em pauta por aí. Não a toa ele é ganhador de 7 Grammys e um dos protagonistas nas últimas grandes premiações da música. Se não fosse Taylor Swift, o ano da música seria dele e de seu ultimo albúm “Pimp a Butterfly”. Alright, é uma obra prima que nasceu já um clássico.

Captura de Tela 2016-03-06 às 01.34.32

Nesta última sexta, 04 de marco, não tínhamos nem ideia de que que poderíamos ouvir material novo do rapper… mas fomos surpreendidos: Kendrick disponibilizou Untitled Unmastered, uma coletânea de músicas que não foram incluídas no seu último lançamento mas que, com certeza, mereciam ver a luz do dia. E, olha… que bom que ele liberou todas essas músicas. O trabalho só aumenta os argumentos de que ele é um dos rappers contemporâneos mais relevantes do mercado.

 

 

O que chama a atenção logo de cara é que todas as músicas não tem nome: todas seguem o conceito do título untitled, diferenciadas apenas pelo número da faixa no disco e por uma data (provavelmente da gravação da track). O albúm também não tem imagem na capa. Como se tudo tivesse sido vazado ou liberado do jeito que estava mesmo… sem muita preocupação na masterização do som ou algo assim…

Os grandes destaques do album são as tracks untittled 04, 06, 07 e 08. Esta última, tem a produção mais comercial, numa pegada meio disco e sintetizadores dos anos 80. Minha preferida? A untitled 06, com participação da voz inconfundível do Cee Lo Green e acompanhamento numa vibe sambinha bossa nova (provavelmente é esse o ponto que mais me cativou). A untitled 07 tem produção creditada ao filho da Alicia Keys com o Swizz Beatz, Egypt Doubt, de 5 anos. O mais interessante da faixa é como ela deixa explícita o processo criativo de Kendrick ao compor…

Captura de Tela 2016-03-06 às 01.32.49.png

O albúm é, com certeza, um must-listen, goste você de rap ou não. Muito inspirado no jazz, Kendrick embala suas letras políticas e quase documentais com muito ceticismo, mas ainda assim motivação. Se essa é a sobra de “Pimp a Butterfly” imaginem o que vem para o próximo album (sem previsão de datas de lançamento)…

 

COMPARTILHAR
Thiago tem 25 anos, é comunicador e acredita que marketing é pra tudo e todos. Aquariano. Up Tempo. Amante da música, do entretenimento, da arte e da cultura pop. Movido por novidade! @thicerqueira

DEIXE UMA RESPOSTA

Escreva seu comentário
Seu nome aqui