Nubank, Blockchain e o fim da corrupção

Você provavelmente já leu por ai o termo fintech, talvez não tenha te chamado muita a atenção, mas fato é que é uma das maiores tendências dessa década. O termo vem de financial tech, isso é, tecnologia aplicada para o setor financeiro, como bancos e crédito.

A empresa que vem popularizando o termo no Brasil é a Nubank. Uma administradora de cartões totalmente independente que tem como ponto forte simplificar ao máximo quaisquer transição de crédito e administração de dinheiro. Tudo, absolutamente tudo, é feito pelo aplicativo, inclusive a aprovação de crédito.

Você pode personalizar seus gastos, como nome do estabelecimento e separar ele em categorias, facilitando a administração de recursos. Como se não fosse o suficiente os juros do cartão são abaixo do mercado e se você nunca entendeu os juros e as taxas do cartão de crédito ele deixam tudo facinho par você no aplicativo. Você não precisa mais ficar se perguntando pra onde o seu dinheiro está indo.

Por enquanto para conseguir seu cartão você precisa ser convidado por um amigo. Depois disso você ainda enfrenta uma fila de espera de 70 mil pessoas. A administradora diz que não quer crescer rápido, eles dobram o número de clientes de 3 em 3 meses.

Mas o Fintech não está aí apenas para facilitar nossa vida, existem diversas tecnologias diferentes sendo aplicadas ao mercado financeiro. Uma que você provavelmente já ouviu falar é o bitcoin. O bitcoin nada mais é do que o dinheiro como ele é hoje mesmo, nada mais do que dados na internet, a diferença é que não existe nada físico, moeda ou papel, que represente ele. E vamos combinar, todo o dinheiro que você tem provavelmente é representado por um número quando você entra no seu online banking. Dinheiro são que alguns bytes na internet. Por isso o nome Bitcoin.

Vou resumir a história do Bitcoin para todo mundo entender. Em 2008 o Bitcoin foi inventado. Em 2009 ele virou open source, isso é, todo mundo poderia ter acesso a ele e poderiam usar como bem entendessem. Em 2010 um programador da Florida convenceu uma pizzaria a aceitar 10 mil bitcoins por duas pizzas. Já que naquela época ninguém tinha Bitcoins, aquilo não valia nada. Mesmo parecendo uma troca por nada, isso marcou a história da moeda virtual. Foi a primeira transação feita com Bitcoins. Hoje, depois que o Bitcoin foi estabelecido como uma moeda real e existe uma demanda grande por ele, cada um vale em torno de 400 dólares (ele varia de cotação diariamente) – isso é, aquelas duas pizzas hoje foram vendidas pela bagatela de 4 milhões de dólares – 14 milhões de reais. Deu pra entender porque Fintech não é brincadeira?

E para quem acha que não da pra comprar nada com Bitcoin, já existe até cartão de débito, ta?

Agora que eu provavelmente convenci vocês, vou pra um assunto mais interessante ainda – principalmente considerando a situação do Brasil. O blockchain é a plataforma onde todas as transações de bitcoin acontecem. Essa tecnologia pode acabar com os bancos, já que você pode ter uma carteira nele e fazer transações sem nenhum intermediário. Tipo um Nubank, só que ainda mais legal.

Além de ser um sistema que pode mudar toda a estrutura financeira como a gente conhece, o blockchain funciona da seguinte maneira: o block são os dados de transferência – quanto dinheiro, de quem para quem – uma vez que a transferência é feita ele vai para o blockchain, que é o banco de dados. Basicamente o blockchain é o histórico de todas as transições feitas com bitcoin e o block é o recibo.

Agora o que muda todo o jogo é que os dados no blockchain são compartilhados com todos os usuários do sistema. Isso significa que eles tem mais servidores que o google. E a melhor parte, uma vez no sistema, não da mais pra tirar. Ai que o Capitão Nascimento perde o emprego. Não há dinheiro, ameaça ou hacker que faça uma transição feita no blockchain desaparecer de todos os computadores. A não ser que toda internet no mundo inteiro simplesmente apague tudo, mas aí amigos, acho que a gente vai ter mais com o que se preocupar.

Países como Honduras, que já foi considerado um dos mais corruptos do mundo, contrataram empresas de Tech para implementar o mesmo sistema do blockchain no sistema financeiro deles. Isso significa que o mundo inteiro tem acesso a todas as transições financeiras que as entidades governamentais fazem. Com a transparência total a corrupção se torna, no mínimo, difícil. E aí, Brasil? Ta esperando o que?

 

COMPARTILHAR
Morando em Amsterdam e sonhando com a vida de nômade digital. Amo filmes, séries, livros, contos em volta de fogueira, letras de música. Resumindo, toda boa história. Tudo que é novo me da energia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Escreva seu comentário
Seu nome aqui