Mulher, estrangeira, empreendedora faz sucesso com um dos restaurantes mais tradicionais de Amsterdam

O segredo é: não faça só uma coisa. Há um mês eu conheci Nicoletta Gezzi, uma italiana que mora em Amsterdam há 45 anos. Nesses anos ela abriu o primeiro restaurante italiano da maior cidade holandesa, Casa di David. Hoje esse é o restaurante que ficou mais tempo sem trocar de donos. Isso me trouxe uma curiosidade de como você consegue (considerando todas as mudanças que aconteceram na última década) se manter atualizada, moderna e, o que considero o mais importante, amando o que faz.

Conversei com a italiana, que hoje tem 70 anos, e foi inspiração pura. Ela se mudou para a Holanda pelo marido holandês. Ela é artista, ele doutor em economia. O hobby em comum dos dois era a cozinha italiana e aí que resolveram abrir o Casa di David, no canal mais central de Amsterdam, Singelgracht. No começo eles traziam ingredientes direto da Italia, assim como os funcionários, que até hoje são (quase) sempre italianos.

Perguntei para ela qual era o segredo de, com tantas mudanças, continuar gerenciando o restaurante. Ela, como uma verdadeira poeta, não deu uma resposta muito direta, mas várias. O maior de todo? O amor. Ela coloca o amor em tudo que ela faz, que aliás não são poucas coisas.

A cada 3 meses, quando ela quer reformular o cardápio dos restaurantes – hoje são dois – ela vai para a casa da sua família em Toscana com o marido e os filhos. Lá ela se inspira nas tradições italianas, renova os ingredientes e até produz alguns ela mesma, como o azeite.

Nicoletta, além de gerenciar os restaurantes, escreveu 4 livros. Um sobre a vida dela na Holanda e sobre a história do restaurante – Tavolo 18, outro sobre a superação do cancer que ela teve, um outro sobre uma garotinha italiana e sua aventuras e o último é um compilado de contos sobre mulheres – Tram 14. Infelizmente os livros estão disponíveis só em italiano e em holandês.

A verdade sobre Nicoletta e o que eu vou levar para mim é: faça, antes que tudo, o que você ama. Pode parecer romântico e clichê, mas eu sempre acreditei que clichês são clichês por uma razão. Segundo, não faça só isso. Ninguém ama só cozinhar, só escrever, só isso ou só aquilo.

Durante a vida a gente muda e nossas paixões também, o que precisamos perceber é que não precisamos parar uma coisa para fazer outra. Sim, sempre estamos nos dedicando mais a uma paixão, mas é exatamente isso que nos voltar as antigas. Aprendemos coisas novas e revisitamos antigas. Amamos viajar para aquele lugar longe, mas voltar para casa também tem seu charme. Isso foi o que aprendi com a incrível mulher que é Nicoletta.

P.S.: Se você estiver planejando vir para a Amsterdam você tem que comer nos restaurantes dela: Casa di David e Campo di Fiori. E me dar um alô também!

 

COMPARTILHAR
Morando em Amsterdam e sonhando com a vida de nômade digital. Amo filmes, séries, livros, contos em volta de fogueira, letras de música. Resumindo, toda boa história. Tudo que é novo me da energia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Escreva seu comentário
Seu nome aqui